Uma Carta Aberta aos Ministros Fundamentalistas De Um Membro de Uma Igreja Cristã Fundamentalista
 

 

 

 

Uma Carta Aberta aos Ministros Fundamentalistas De Um Membro de Uma Igreja Cristã Fundamentalista

 



Aos ministros e líderes das congregações evangélicas ou fundamentalistas que suportam o Estado de Israel em suas políticas expansionistas:

 

Eu sou membro de uma igreja evangélica, ou fundamentalista. Portanto, por algum tempo eu venho me incomodando, ao ver seus nomes listados no New York Times ou no Washington Post, junto com outros proeminentes ministros fundamentalistas que estão ‘se unindo para apoiar nossos irmãos judeus e o Estado de Israel’.

 

Os artigos indicaram que seu suporte pelo sr. Netanyahu e/ou líderes e governos israelenses expansionistas, é baseado em sua interpretação de Apocalipse 7: 3 – 8, e vários versos do Velho Testamento. Eu entendo que vocês interpretam estes versos de modo que quando uma segunda vinda de Cristo estiver para ocorrer, os judeus irão novamente possuir todas as terras que uma vez foram deles no Velho Testamento.

Estes versos do Velho Testamento em sua interpretação significam que Deus tem uma aliança com todos os judeus, porque eles são a semente de Abraão, Isaque, Jacó, José e Davi. (Gênesis 12: 17, Levítico 26: 44 – 45, Deuteronômio 7: 7 – 8, Davi 7: 12 – 16, 1 Reis 15: 4, Salmos 89: 34 – 37 e Salmos 105: 8 – 11). Em nenhum destes versos é dito que a aliança é com todas as sementes destes líderes judeus e antepassados.

Os cristãos e muçulmanos que estão presentemente vivendo em Jerusalém e Gaza, podem ser a semente destes líderes judeus do Velho Testamento, tanto quanto os judeus que estão presentemente vivendo lá, muitos dos quais são imigrantes de outros lugares.

Muitos dos discípulos eram originalmente judeus que viviam nestas áreas.

Vocês não esperam que suas ‘sementes’ continuem lá?

O sr. Netanyahu e seu governo continua a construir assentamentos judaicos na terra tomada dos palestinos cristãos e muçulmanos, através da força e do terror.

Ele e seu governo continuam a selar ou derrubar as casas de famílias nas quais um membro é suspeito de participação em atos violentos. 

Cristãos e muçulmanos suspeitos são deportados ou aprisionados por anos sem julgamento, e são torturados na prisão. Famílias cristãs e muçulmanas nunca recebem permissão para aumentar suas próprias casas, independente do número de crianças que possam ter.

Taxas são extremamente mais altas para os cidadãos árabes do que para os cidadãos judeus, tão altas que tem tirado muitos cristãos e muçulmanos de seus negócios e/ou suas casas.

Punições pela morte de cristãos e muçulmanos são geralmente menores, implicitando que suas vidas não valem nada.

Tudo indica também, que vocês baseiam seu suporte ao apartheid do governo de Israel em sua interpretação do que seriam sinais no mundo de hoje de que a segunda vinda de Cristo está próxima.

Aldeias cristãs tem sido tomadas por táticas terroristas 

À luz de todas as aldeias cristãs e muçulmanas que tem sido tomadas por meio de táticas terroristas, que o sr. Netanyahu e seu governo agora censuram por parte dos extremistas palestinos, e em vista do tratamento de apartheid tanto de cidadãos cristãos quanto de muçulmanos nas áreas que são controladas pelo governo israelense, não seria mais de acordo com os ensinamentos cristãos considerar mais cuidadosamente as palavras de Cristo em Atos 1: 6 e 7:

‘6 Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel? 7 E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder.’

De tempos em tempos através da história, grupos de cristãos pensaram ter identificado o tempo e a estação, através do uso de sinais que eram dados no Novo Testamento, mas a cada vez eles pareceram tolos, quando estas palavras de Cristo provaram ser verdadeiras.

Nos é dito que parte de seu suporte pelo sr. Netanyahu e seu ‘grande governo de Israel’ é baseado em Gênesis 12: 3 onde Deus disse à Abraão, ‘E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem;…’. Deus está falando para Abraão, não para todos os seus descendentes.

As palavras que se seguem, ‘e em ti serão benditas todas as famílias da terra.’, certamente se referem à vinda de Cristo a partir da semente de Abraão, não àqueles judeus que rejeitaram Cristo então e agora, e continuam a perseguir Cristo através da perseguição de seus seguidores. 

 ‘Quem São Meus Irmãos?’

Em Mateus 12: 48 – 50, Marcos 3: 33 – 35 e Lucas 8: 21, Cristo (a semente de Abraão, Isaque, Jacó e Davi) afirmou quem são sua semente quando disse, ‘Quem é minha mãe? E quem são meus irmãos? E ele estendeu sua mão sobre os discípulos e disse-lhes: ’… Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a executam.’

Muitos cristãos fundamentalistas estão seguindo a liderança de ministros cristãos, que estão dando suporte ao mesmo povo que melhor se enquadra na descrição do anti-cristo. Eu não estou falando daqueles judeus que sinceramente desejam paz com justiça em Israel e em Gaza, muitos dos quais se colocam em grande perigo falando ou escrevendo livros que expõem as pressões insidiosas e o poder organizado usado, assim como a injustiça e crueldade horrível praticada pelos sionistas, de modo a alcançar seus objetivos de um grande Israel.

Eu estou falando dos judeus ortodoxos, de direita, muitos dos quais olham para os cristãos e muçulmanos como sub-humanos, que não são dignos de um tratamento humano.

Em ‘História Judaica, Religião Judaica’ (Jewish History, Jewish Religion), o dr. Israel Shahak, ele mesmo um judeu, cota uma maldição especial contra os cristãos do livro de oração diária, usado por muitos judeus ortodoxos em Israel: ‘E que os apóstatas não tenham esperança, e que todos os cristãos pereçam instantaneamente’ (página 92).

Na página 93, o dr. Shahak diz que um judeu devoto deve pronunciar uma maldição quando passando próximo de um cemitério gentio, e que ao ver uma residência habitada por outras pessoas que não sejam judias, deve pedir a Deus para destruí-la.

O governo israelense, em resposta às demandas dos judeus ortodoxos, bane o uso do sinal de ‘mais’ em matemática, porque se parece com a cruz.

Não deveriam nossos líderes cristãos considerar a possibilidade de que os descendentes dos judeus convertidos mencionados no Apocalipse, podem consistir em parte dos cristãos perseguidos nesta área, cujos ancestrais podem bem ter sido os primeiros judeus convertidos, ou os judeus que (em um espírito mais cristão) abominam a crueldade e injustiça infligida sobre os cristãos e muçulmanos pelo governo Netanyahu, e outros governos motivados pelo ‘grande Israel’?

Certamente, os últimos são candidatos mais prováveis para a conversão.

Não caberia a nós caminhar todos os dias como se a segunda vinda estivesse para ocorrer naquele mesmo dia, simplesmente tentando viver como Cristo mandou, um aspecto disto sendo suportar nossos irmãos cristãos e dar conforto a eles em seu sofrimento, mesmo que perdoássemos seus perseguidores?

Cristo aceitaria que apoiássemos aqueles que os perseguem? Pela atitude posterior, não é possível que estejamos colocando em perigo nossas almas imortais?  

Um outro livro escrito por um ministro cristão é ‘Irmãos de Sangue’ (Blood Brothers) de Elias Chacour, cuja aldeia cristã na Palestina foi demolida pelos soldados israelenses. O pastor Chacour prega o perdão. Existe outro livro que é ‘Que Preço Israel?’ (What Price Israel?) de Alfred Lilienthal, um judeu que serviu no governo americano no Oriente Médio, durante e após a Segunda Guerra Mundial.

No relatório feito pelo Comitê Contra a Tortura das Nações Unidas, pode ser encontrada a verificação do tratamento de apartheid dos cristãos e muçulmanos nos territórios ocupados israelenses. A seguinte passagem de um artigo do New York Times de 9 de maio de 1997, serve para substanciar minha afirmação, com relação ao uso de tortura pelo governo israelense ou pelo Shin Bet, com a concordância do governo israelense:

‘De acordo com organizações de direitos humanos israelenses, nos últimos anos em torno de 5.000 palestinos foram submetidos à violência na prisão anualmente.’ Também o seguinte: ‘Grupos de direitos humanos alegam que 80 por cento dos palestinos que são torturados nunca são indiciados por um crime.’

Se vocês estiverem interessados em verificar qualquer coisa que eu tenha dito lendo as fontes que eu cotei, e não puderem encontrá-las em sua biblioteca local, elas podem ser obtidas do Washington Report, P. O. Box 53062, Washington, DC.

Que vocês possam ser preenchidos e governados constantemente pelo Espírito Santo, agindo em Sua sabedoria e, como tal, andando em Sua paz.

 


cc: Dr. John Hagee (Pastor—Igreja de Cornerstone, San Antonio); Pat Robertson (Presidente, Rede de Transmissão Cristã e Presidente da Coalizão Cristã); Oral Roberts (Fundador & Chanceler da Oral Roberts University); Bispo Charles E. Blake (Pastor— Igreja de Deus em Cristo de West Angeles, Los Angeles); Pastor George Morrison (Pastor—Capelão da Faith Bible, Arvada, CO); Dr. Jerry Falwell (Pastor— Igreja da Liberdade da Via Batista, Lynchburg, VA); Ed McAteer (Presidente— Mesa Redonda Religiosa); Dr. E.V. Hill (Pastor— Igreja Batista Missionária Monte Sião, Los Angeles); and Dr. David Allen Lewis (Presidente — Cristãos Unidos por Israel).


Texto: 'An Open Letter to Fundamentalist Ministers From a Member of a Christian Fundamentalist Church' de Kathleen Banks.  Kathleen Banks é uma professora nascida em Virgínia que se aposentou em 1985, depois de lecionar nos EUA e no Oriente Médio. Este artigo foi publicado na edição de julho/agosto de 98 do Washington Report, e seu original pode ser lido no endereço:

http://www.washington-report.org/backissues/0798/9807082.html

 

                                                Home                Artigos