O "Hijab" ou Véu Islâmico

 

 

Definição de "Hijab":

 

           A questão do “hijab” ou véu islâmico é um ponto polêmico para os não-muçulmanos (e até para alguns muçulmanos).  Em primeiro lugar deve-se  definir o uso do termo “véu islâmico”. 

Este termo frequentemente assume vários significados que vão desde a colocação de um lenço para cobrir os cabelos até um véu, no sentido real da palavra, cobrindo o rosto da muçulmana. Deve-se ressaltar que a maioria dos estudiosos muçulmanos não consideram obrigatório cobrir o rosto, baseados em interpretações dos versículos do Alcorão e em um "hadith" do profeta (SAWS) que diz que a muçulmana deve cobrir todo o corpo, com exceção do rosto e das mãos (e eventualmente também os pés).  Entretanto uma minoria considera a cobertura do rosto obrigatória ou pelo menos altamente recomendável.  De qualquer forma nada impede que a muçulmana cubra o rosto se assim desejar, por acreditar que fica menos sujeita ao assédio ou se considerar que é um dever religioso.

 A definição de “hijab” ou véu islâmico adotada aqui seria a cobertura de todo o corpo da mulher com exceção do rosto e das mãos.  Existem duas correntes básicas com relação ao tipo adequado de "hijab" e se baseiam em interpretações diferentes do significado da palavra árabe "jalabib", plural de "jilbab" no versículo corânico referente ao uso do "hijab".

"Ó Profeta, dize a tuas esposas, a tuas filhas e às mulheres dos crentes que (quando saírem) se cubram com suas "jalabib", ..."

(Alcorão surata 33:59)

Uma se apega ao significado de "jalabib"  no período da revelação corânica, que tinha um sentido amplo e não se referia a um modelo específico de vestimenta. Sendo assim, entendem que qualquer vestimenta que não seja justa e/ou transparente,  e que cubra o corpo da mulher com exceção do rosto e das mãos, pode ser usada pela mulher muçulmana, não havendo também qualquer especificação quanto à cor da roupa, embora o uso da cor branca, por estar relacionada à pureza e ser mais agradável aos olhos,  tenha sido recomendada pelo profeta Muhamad (SAWS) para homens e mulheres.

 Dentro desta corrente, alguns argumentam que a mulher muçulmana não pode (ou não deve) vestir calças compridas, alegando que é uma vestimenta masculina e que um “hadith” do profeta Muhamad (SAWS) proíbe homens e mulheres de imitarem uns aos outros.

 O uso de calça comprida como vestimenta exclusivamente masculina é padrão de muitas culturas mas não de todas.  A roupa usada pelos homens árabes se assemelha a um “vestido”, para os padrões ocidentais.  Por outro lado, a roupa típica das paquistanesas, muçulmanas, é calça comprida combinada com uma túnica longa. Portanto, este argumento quando utilizado isoladamente parece não ser forte ou convincente o bastante, principalmente se levado em conta que o Islã tem uma mensagem universal, para todos os povos, e que uma pessoa que se “converte” ao Islã não tem que abrir mão de sua cultura original, a não ser no que conflitar com os ensinamentos islâmicos. 

Quanto ao “hadith”  mencionado, alguns estudiosos entendem que uma análise mais cuidadosa de seu conteúdo  sugere que a proibição de homens e mulheres imitarem uns aos outros está mais ligada à recomendação de que homens não tentem se passar por mulheres adotando seus gestos, etc.,  e vice-versa.

A outra corrente apresenta  justificativas para a adoção de um padrão mais "ortodoxo" de "hijab" e entende que a muçulmana deve usar a "jalabib" (ou roupa) utilizada pelas muçulmanas na época do Profeta especificando  um tipo ou modelo de roupa a ser adotado pela muçulmana. Este modelo seria um vestido longo, folgado e sem recortes, com o qual a palavra árabe "jalabib" foi associada posteriormente. Segue-se a isto a recomendação de cores escuras por serem mais sóbrias.  

Quanto ao uso do véu, o entendimento em relação a obrigatoriedade de seu uso deriva da interpretação da palavra "khimar" no versículo do Alcorão.

"...que cubram o peito com seus "khimar" (véus)..."

(Alcorão surata 24:31)

A maioria dos teólogos e tradutores do Alcorão concordam que esta palavra se refere a um lenço amplo usado pelas mulheres na época do Profeta (SAWS) que cobria a cabeça, pescoço e talvez os ombros, deixando o restante exposto. Portanto foi ordenado às mulheres que cobrissem também seus peitos continuando naturalmente a cobrir a cabeça, pescoço e eventualmente os ombros.

  

Modelos de "Hijab":

 

                                                

      Muçulmana vestindo "jalabib"   

 

 

                                           

        Muçulmana usando shalawar-khameez (ou calça comprida folgada com uma túnica longa)

 

 

                      

Muçulmanas usando o traje típico da Malásia, o "Baju Kurung", adaptado como vestimenta islâmica.

 

 

 As Origens do Uso do Véu:

 

Apesar de não ser a intenção deste site entrar em confronto com os ensinamentos de outras religiões, muitas vezes abordá-los parece inevitável para o esclarecimento de um determinado ponto, principalmente considerando que o Brasil, como qualquer país do Ocidente, é influenciado pela cultura judaico-cristã que funciona como referência inconsciente na análise de informações. Sendo assim, é interessante analisar os textos dos Livros Sagrados que originaram a obrigatoriedade do uso do véu.  

No caso do Judaísmo é importante ressaltar que a prática religiosa judaica não se baseia somente no Torá, ou Pentateuco do Velho Testamento, como pensa a maioria dos brasileiros.  A Bíblia hebraica ("Tanach") é constituída do Torá (Pentateuco), Nebiim (literatura profética) e Ketubim (outros escritos). O Judaísmo contemporâneo é derivado do movimento rabínico dos primeiros séculos da Era Comum na Palestina e Babilônia e é chamado de Judaísmo Rabínico.

Os rabinos consideram que Deus revelou a Moisés um Torá duplo. Em acréscimo ao Torá escrito, Deus teria revelado um Torá oral, chamado "Mishnah". O estudo do "Mishnah" gerou dois Talmudes que são os comentários relacionados aos ensinamentos do "Mishnah". Os escritos rabínicos também incluem comentários sobre o "Midrashim" (Escrituras) e várias traduções aramaicas do Pentateuco e outros livros. 

No Judaísmo o estudo do Torá se refere ao estudo de toda esta literatura e não simplesmente ao Pentateuco, sendo um erro considerar o Judaísmo simplesmente como a religião do Velho Testamento. 

No movimento judaico conhecido como "Hassidismo" a cobertura do cabelo da mulher casada, prática chamada de "kisui harosh" é fundamental como parte do conceito de "tzinius", palavra que tem os significados simultâneos de modéstia, santidade e pureza. A aceitação da idéia de cobrir ou não os cabelos após o casamento é considerada como determinante na escolha da esposa, sendo recomendado que aquela que mencionar sua intenção de não cobrir os cabelos após o casamento seja descartada como possível escolha.

É considerado que a mulher que cobre os cabelos traz bênçãos e sucesso para si mesma, seu marido, filhos e até netos e a sua recusa em cobri-los acarretará o oposto, desgraça e tristeza, para estas pessoas. Sendo assim, é altamente recomendável que a mulher judia pertencente a esta denominação judaica use "sheitel" (peruca), sendo esta preferível ao lenço, na opinião dos rabinos, por ser mais difícil de ser retirada em público. Existe o temor de que a mulher se sinta tentada a colocar o lenço de uma forma que a deixe com aparência mais moderna, mostrando parte de seu cabelo ou até que o retire totalmente em alguma atividade social, atitude que é dificultada pelo uso da peruca. Entretanto, se o lenço for usado de maneira correta, sem que nenhum fio de cabelo fique à mostra, seu uso é permitido. 

Em outras comunidades judaicas ortodoxas também é possível encontrar véus disponíveis na entrada da sinagoga para que as mulheres casadas cubram seus cabelos antes de entrar para participar de cerimônias religiosas. Além disso, mesmo entre os judeus não-ortodoxos a mulher judia tem que usar um véu ao acender as velas para o início do "sabbath", o "dia de descanso" judaico.

A razão para restringir o uso do véu apenas às mulheres casadas é baseada no entendimento de que cobrir os cabelos é uma punição pelo pecado cometido por Eva, que fez com que seu marido, Adão, se rendesse ao pecado.

No Cristianismo o uso do véu também é adotado até hoje e pode ser observado de maneira mais óbvia na vestimenta das freiras. O interessante entretanto é observar as reações completamente opostas em relação à uma freira e à uma muçulmana. Afinal de contas, não existe uma diferença significativa entre a roupa usada por uma e por outra. 

Então por que os não-muçulmanos associam a roupa da muçulmana com submissão, “burrice”,  infelicidade e opressão e a da freira  com demonstração de fé? Por que a freira merece respeito e consideração e a muçulmana  desprezo e  ironia? Será que é mesmo uma questão de vestimenta ou é puro preconceito e desinformação? Fiz esta pergunta uma vez e recebi a seguinte resposta: “é porque as freiras se vestem daquela forma por obediência a Deus e as muçulmanas por obediência aos homens”.  Será  mesmo?

O Uso do Véu no Conceito Cristão:

Lê-se no Novo Testamento:

“...Toda mulher que reza ou profetiza de cabeça descoberta, desonra a sua cabeça; é como se estivesse de cabelo rapado. Por isso,  se a mulher não quer por o véu, que corte os cabelos. Mas, se é desonroso à mulher ter os cabelos cortados ou rapados, que ponha o véu.

O homem não deve cobrir a cabeça porque ele é a imagem e o reflexo de Deus; a mulher, no entanto, é o reflexo do homem. Por que o homem não foi tirado da mulher, mas a mulher do homem. Nem o homem foi criado para a mulher, mas a mulher para o homem. Por isso a mulher deve usar na cabeça o sinal de sua dependência, por causa dos anjos.”  

(Coríntios: 3 vvs. 3 – 10).

 

O Uso do Véu no Conceito Islâmico:

       Lê-se no Alcorão:

“...Dize às crentes que recatem seus olhares, conservem seus pudores e não mostrem seus ornamentos, além dos que (normalmente) aparecem; que cubram o peito com seus véus e não mostrem seus ornamentos a não ser a seus esposos, seus pais, seus sogros, seus filhos, seus enteados, seus irmãos, seus sobrinhos, às suas mulheres, suas servas, seus criados livres das necessidades físicas ou crianças que não atingiram a puberdade; que não agitem seus pés para que chamem a atenção sobre seus ornamentos ocultos. Ó crentes, voltai-vos todos, arrependidos, a Deus, a fim de que vos salveis!”  

(Alcorão: surata 24, versículo 31).

 

Enquanto no texto do Novo Testamento o uso do véu tem uma ligação clara e direta com a submissão ao homem, no texto corânico tal ligação nem ao menos é sugerida. É um dever religioso e prova de obediência a Deus. Além disso, a idéia de que Eva pecou sozinha não é aceita no Islã. Na verdade o Alcorão diz que ambos, Adão e Eva, pecaram e que ambos foram perdoados. 

No Islã ninguém é responsável pelos erros ou pecados de outros e não existe a noção de transmissão de uma punição de uma geração para outra. Portanto, o conceito de Pecado Original e de que toda a Humanidade estaria sendo punida pelo pecado cometido por Adão e Eva, simplesmente não tem lugar nos ensinamentos islâmicos. Da mesma forma não é concebível no Islã que alguém seja sacrificado para expiar os pecados de outros ou de toda a Humanidade.

Considerando que os cristãos  crêem que a Bíblia é a palavra de Deus, como podem reconhecer que alguém tenha autoridade para aboli-la, alterá-la ou reeditá-la quando seus ensinamentos supostamente "caem em desuso" ou ficam "fora de moda" ? Além disso, por ocasião da visita do presidente Fernando Henrique Cardoso ao Vaticano no ano de 1998, todas as mulheres de sua comitiva, inclusive a Primeira Dama d.Ruth Cardoso, tiveram que usar véus para serem recebidas pelo Papa. O mesmo ocorreu durante a visita do Rei Abdallah e da Rainha Rania da Jordânia, posterior à de Fernando Henrique Cardoso. A rainha Rania,  normalmente não usa o "hijab", embora seja muçulmana, mas colocou um véu para ser recebida pelo Papa. 

O condicionamento do uso do véu para a audiência com o Papa é uma prova viva de que o véu continua sendo obrigatório dentro do Cristianismo e anula o argumento cristão de que a indicação bíblica para seu uso se restringe à presença da mulher nas cerimônias religiosas. Embora o Catolicismo não seja o representante de toda a Cristandade, detém a parcela majoritária em termos de adeptos do Cristianismo, sendo que no Cristianismo Ortodoxo o uso do véu também continua válido para as mulheres durante o culto religioso. 

Além disso, correntes Protestantes adotam comportamentos diferentes em relação ao uso do véu. Estes comportamentos variam desde a atitude de simplesmente ignorá-lo, passando pela idéia de que o véu deve ser substituído pela adoção de cabelos longos que atuam como véu (o que no final das contas implica em reconhecimento do conceito de véu), pela recomendação de seu uso durante as cerimônias religiosas,  chegando até a consideração do véu como obrigatório em qualquer situação. 

De modo geral, o uso do véu no Cristianismo parece ter sido negligenciado devido, em grande parte, ao temor de perder adeptos (ou adeptas).

 Sendo assim, me parece que a aversão ao véu islâmico reflete uma associação inconsciente ao conceito de véu no contexto bíblico.  É de certa forma compreensível que a mulher ocidental, de cultura judaico-cristã, tenha decidido se descobrir como símbolo de sua independência, mas parece terem decidido agora  “cobrar” das muçulmanas a adoção deste mesmo simbolismo. Ou seja, querem que as muçulmanas também se descubram, como símbolo de “independência”, ignorando que tal ato simplesmente não tem eco no Islã .

 Infelizmente, muitas muçulmanas que se dizem modernas,  adotam esta postura. Outras, só passam a usar a vestimenta islâmica após o casamento, dando a impressão de que existe alguma vinculação entre o uso do  véu  e a “honra” do marido. E outras simplesmente o usam por tradição cultural, abandonando-o assim que chegam a um país onde o Islã não é majoritário, alegando que afinal, naquele determinado país “ninguém se veste assim”.

 

 As Finalidades do "Hijab":

 

 Deus não ordena nada que não tenha um objetivo ou finalidade. Estes podem ser muitas vezes difíceis de identificar, mas tal dificuldade é resultado da limitação humana em entender os desígnios de Deus, mas não significa que tais objetivos ou finalidades não existam. As finalidades apresentadas aqui para o uso do "hijab", são apenas aquelas que os muçulmanos conseguiram até o momento compreender, mas não existe a pretensão de acreditar que todas as possibilidades foram examinadas e que não possam ser encontrados no futuro, outros objetivos ou finalidades além dos apresentados.

Entre as finalidades para a implantação do uso do "hijab" podemos citar :

Evitar ou Reduzir o Assédio Sexual:

O assédio sexual tem sido recentemente tema de muitas discussões, mas sempre existiu em todas as sociedades de formas variadas. A dificuldade em estabelecer e identificar o que deve ser considerado assédio sexual tem tornado difícil punir os acusados de tal prática, mesmo nos países onde existe legislação para aplicação da punição.

Muitos dos acusados de praticar assédio sexual alegam que eram inicialmente correspondidos e que a partir de um determinado momento, sem razão aparente, a mulher resolveu acusá-los injustamente de assédio. Esta pode ser apenas uma desculpa para escapar da acusação, mas deve-se também à dificuldade de interpretar os chamados "sinais de socialização". O que pode parecer uma espécie de encorajamento, pode ter sido simplesmente uma interpretação errônea de um ato de simpatia ou gentileza por parte da mulher. Da mesma forma, uma gentileza por parte do homem pode ser considerada assédio por algumas mulheres.

Outra dificuldade é que tais investidas ocorrem quando os envolvidos se encontram sozinhos, sendo quase impossível apresentar testemunhas para o fato. A tentativa de definir limites para punir os acusados de assédio tem gerado situações cômicas, como o caso de um menino de 5 ou 6 anos que foi acusado de assédio sexual nos Estados Unidos por ter dado um beijo no rosto de uma coleguinha de escola.

Uma das finalidades do "hijab" é portanto funcionar como uma barreira clara e visível da não-receptividade por parte da muçulmana para tais investidas. Deve-se acrescentar que é proibido no Islã que um homem e uma mulher que não sejam casados ou parentes muito próximos (pai e filha, irmão e irmã, mãe e filho, etc.) fiquem sozinhos em um ambiente fechado, mesmo que a mulher em questão seja uma muçulmana usando o "hijab". Além disso nenhum contato físico é permitido entre homens e mulheres que não se encaixem nas categorias descritas acima. Sendo assim, beijinhos no rosto, tapinhas nas costas, abraços e até apertos de mão são proibidos. Muitos muçulmanos tem flexibilizado sua atitude em relação ao aperto de mão, principalmente os que vivem em países de maioria não-muçulmana, mas a proibição existe.

O Islã determina assim, regras claras de comportamento e vestimenta, que tornam óbvia qualquer investida de assédio sexual, eliminando a possibilidade de argumentação e defesa por parte do acusado de assédio. 

É importante ressaltar que o fato de uma mulher não usar o "hijab" não "autoriza" o muçulmano a assediá-la. O "hijab" é uma proteção para a mulher mas o fato de uma muçulmana, por alguma razão, resolver abrir mão desta proteção não significa, necessariamente, que ela queira ser assediada. 

O muçulmano deve respeitar a todas as mulheres, estejam elas usando ou não o "hijab", sejam elas muçulmanas ou não. Ele tem um compromisso com Deus de se manter casto até o casamento e de não tocar nenhuma mulher que não lhe seja permitido tocar e este compromisso não está vinculado ao comportamento ou tipo de roupa usado pelas mulheres de sua comunidade. É mencionado no Alcorão:

"Aqueles que não possuem recursos para casar-se, que se mantenham castos até que Allah os enriqueça com Sua graça."

(Alcorão surata 24: 33)

 

Facilitar a Observação da Castidade Até o Casamento:

Como foi dito anteriormente, o Islã prega a castidade igualmente para homens e mulheres até o casamento e o  "hijab" visa facilitar a observância desta obrigação para ambas as partes. 

Ver mulheres bonitas e sensualmente vestidas e ainda se manter casto é sem dúvida tarefa hercúlea. Da mesma forma uma mulher bonita que é frequentemente cortejada e ainda se mantém casta é muito raro. Nos dois casos logo surgem especulações quanto às suas "preferências sexuais". 

O uso do "hijab" ameniza as pressões naturais do desejo sexual entre os integrantes da comunidade muçulmana que se encontram solteiros, divorciados ou viúvos, até que encontrem um parceiro(a) para o casamento. Se um homem se sente atraído por uma mulher, ele poderá tentar seduzi-la de alguma forma. A mulher por sua vez, está sujeita aos mesmos desejos e aceitará a sedução, já que é ingenuidade acreditar que uma mulher que não queira ser seduzida vá se deixar seduzir.   O encontro de duas pessoas nesta situação cuja fé não é forte o bastante para contê-los, poderá resultar na desobediência à esta obrigação.

 A barreira natural criada pelo "hijab" e as regras de comportamento da sociedade islâmica, inibem estas possibilidades e torna mais fácil a observância deste dever religioso. Pela mesma razão é recomendado que os casados não dêem demonstrações de carinho em público, em consideração com os que se encontram sozinhos. Os não-muçulmanos  frequentemente associam esta atitude com a idéia de que não existe amor e carinho entre os casais muçulmanos, por dificuldade em compreender a natureza das injunções islâmicas. 

A prática existente nas comunidades árabe-muçulmanas de manter as filhas sob controle "ferrenho" e encorajar ou pelo menos "fechar os olhos" para as escapulidas dos filhos, não é islâmica. Esta forma de comportamento pode ser observada em maior ou menor grau em praticamente todos os países do mundo, mas é condenável no Islã.

 

Valorização da Mulher Pelas Suas Qualidades Intelectuais e Morais:

Uma das queixas freqüentes de mulheres  bonitas e famosas é que todos se interessam apenas pela sua aparência e não pelo seu intelecto. Muitas destas mulheres ao envelhecer entram em depressão profunda por reconhecerem que a única razão pela qual eram tão admiradas, sua beleza física, está indo embora.  

Uma das finalidades para o uso do "hijab" é portanto, valorizar a mulher pelas suas qualidades intelectuais e morais. Uma vez que o aspecto físico não está sendo levado em consideração, a observação destas qualidades passa a ser a única referência para o estabelecimento de contato social. 

Qualidades intelectuais e morais em geral aumentam com o passar do tempo, e uma mulher que é admirada por elas não precisa ver na velhice uma ameaça ao espaço que conquistou na comunidade.

  Proteger a Mulher de Futilidades:

Esta é na realidade uma outra abordagem da valorização da mulher por suas qualidades intelectuais e morais, neste caso aplicada à forma como a própria mulher se posiciona na sociedade. 

Dentro de uma comunidade onde a beleza abre muitas portas, algumas mulheres podem ser levadas a crer que basta apenas ser bonita. Desenvolver outras qualidades e adquirir conhecimento se tornam praticamente sem sentido quando se pode conseguir tudo, ou quase tudo, tirando partido apenas da beleza física. No Brasil, como em muitos outros países, existem vários exemplos famosos, cujos nomes serão omitidos por uma questão de ética. 

O "hijab" protege a mulher de si mesma, de excessiva e desmedida vaidade encorajadas pela sociedade, e da ilusão de que aperfeiçoar-se como ser humano é desnecessário quando se é bonita.

 

Consideração Pelas Outras Mulheres:

Este é outro aspecto importante do "hijab"  que é frequentemente ignorado. Uma vez que o aspecto físico deixa de ser referência, as mulheres que não possuem naturalmente grandes atributos de beleza, tem oportunidades iguais em sua vida social e profissional. 

É frequente a solicitação de "boa aparência" nos anúncios de emprego, principalmente para os cargos de secretária e recepcionista, mas qualquer um sabe que "boa aparência" nestes casos é apenas um eufemismo para dizer que a candidata tem que ser bonita, "sexy", etc.  As que não se enquadram nestes requisitos, mesmo sendo até mais competentes,  tem em geral, maior dificuldade em ser aceitas no emprego.

Existe também o caso de mulheres que embora tenham sido muito bonitas em sua juventude, ao envelhecer perderam parte de sua beleza física. Cabe às mulheres mais jovens ter consideração por elas não expondo sua beleza, evitando o estabelecimento de comparações que reduziriam as chances de felicidade da mulher mais velha. 

A jovem deve ter em mente que aquela mulher é com certeza muito mais sábia que ela e que seu envelhecimento é provavelmente resultado de grande dedicação à família e à comunidade. Esta mulher mais velha pode ser a sua própria mãe, tia ou outra pessoa querida e é também o futuro desta mulher que hoje está jovem e bonita.

 

Considerações Finais Sobre O Uso do "Hijab":

 

O uso do “hijab” se torna obrigatório para toda muçulmana quando ela atinge a puberdade, seja ela solteira, casada, divorciada ou viúva e não está vinculado à vontade dos homens da família. Aliás, é necessário enfatizar aqui que também não cabe aos homens da família “liberar” as mulheres de tal obrigação, ela existe independente de suas opiniões pessoais. 

O marido, assim como o pai, o irmão, etc., pode e deve ressaltar a importância da observância deste dever religioso, tanto quanto qualquer muçulmano ou muçulmana pode fazê-lo, para que a mulher aprimore sua prática religiosa. E é claro que, quanto mais próximo for este relacionamento, maior a responsabilidade ou o dever desta orientação, da mesma forma que se aconselha um amigo ou pessoa querida em algo que se considera correto ou apropriado. Mas isto nada tem a ver com “honra” masculina. 

Os excessos cometidos por alguns homens muçulmanos na imposição do “hijab” às mulheres de sua família, tem mais a ver com ignorância religiosa  do que com conhecimento do Islã e não podem ser vistos como exemplo de prática genuinamente islâmica. Na verdade, esta conduta em geral está mais relacionada ao ciúme ou à posição de autoridade que o homem tenta passar em sua comunidade, do que ao fervor religioso.

O uso do “hijab” é importante, mas deve ser resultado de conhecimento religioso e não de imposição autoritária ou de simples manutenção de tradições culturais. É a exteriorização da fé e deve estar “afinado” com a observância de outros deveres religiosos, na maioria das vezes não tão óbvios, mas frequentemente até mais difíceis de serem seguidos, por serem resultado de um processo de aperfeiçoamento interior. Portanto, antes de qualquer coisa é importante fortalecer a fé e este fortalecimento vem através do estudo e da prática do Islã.

Deve-se ressaltar que a revelação corânica determinando o uso do “hijab”  veio após 13 anos de pregação  religiosa. Antes disto, as revelações eram direcionadas a fortalecer a fé dos muçulmanos e este é o processo correto para a adoção do “hijab”. Não significa que a muçulmana de hoje precise necessariamente dos mesmos 13 anos para entender o seu uso, e sim que as bases de sua fé têm que estar firmes para adotá-lo. 

Outro fato importante é que quando o uso do “hijab” foi instituído, a maioria das mulheres que compunham a comunidade muçulmana da época imediatamente o adotou. Não houve nenhum tipo de coação e nem foi estipulada nenhuma punição física, sendo destacada apenas as consequências espirituais da desobediência a esta e a outras ordens divinas.  Além disso, o profeta Muhamad (SAWS) se constituía em um modelo de prática religiosa sendo extremamente paciente ao passar os ensinamentos islâmicos, o que tornava difícil desobedecê-lo.

Muitos pais não orientam suas filhas na religião islâmica e entretanto, quando elas chegam à puberdade simplesmente impõem o “hijab” sob a alegação simples de que “Deus mandou”. É natural que a adolescente se rebele e veja no uso do traje islâmico uma forma de opressão, já que no caso dela, o “hijab” realmente funciona deste modo.

Outros muçulmanos se casam com mulheres que mesmo sendo muçulmanas, não usam o “hijab”, ou pelo menos não o usam da maneira que ele considera correta, mas nada falam. Após o casamento  começam a impor uma série de normas determinando modelo, cor de roupa, etc., transformando a vida da esposa em um verdadeiro inferno.

 Isto sem falar nos que se casam com não-muçulmanas. Além de lhes impor o Islã como religião, o que é PROIBIDO, ainda lhes obrigam a usar o “hijab” sem nenhuma orientação prévia e sem levar em consideração que a mulher precisa de tempo para entender e se adaptar à religião. Todas estas atitudes equivocadas só contribuem para reforçar o estereótipo do “hijab” como símbolo de submissão e opressão.

Portanto, se um homem muçulmano deseja orientar as mulheres de sua família no uso do “hijab”, é importante que ele próprio seja um exemplo de observância dos seus deveres religiosos. É fundamental também que siga o exemplo do profeta (SAWS),  sendo paciente e carinhoso, levando em consideração que cada pessoa tem personalidade e características próprias que devem ser respeitadas, tanto na discussão da questão do "hijab" quanto em relação a qualquer outro tema.

Por fim, o mais importante é que toda muçulmana se informe a respeito de todas as correntes de pensamento referentes ao uso do "hijab" e adote a que lhe parecer mais coerente com o espírito do Islã. A decisão de usar ou não o "hijab" não deve ser tomada para agradar a pessoas ou à comunidade. É a relação de obediência entre a mulher e seu Criador, e esta deve ser a única motivação para tal decisão.

Elaborado por Maria C. Moreira, webmistress do Islamic Chat.

Para uma lista de links em inglês sobre a obrigatoriedade do uso do véu no Cristianismo, visite o endereço: http://www.headcoverings.com/Resources.htm 

Sobre o conceito de modéstia e obrigatoriedade da mulher cobrir a cabeça no Judaísmo, ver o livro "Beautiful Within - Modesty in Concept and  Dress as Taught by the Lubavitcher Rebbe Rabbi Menachem M. Schneerson" disponivel online

Ver Bibliografia

 

                       Home                      Artigos