A Imagem Destorcida da Mulher Muçulmana

 

 

A Imagem Distorcida da Mulher Muçulmana


 

A partir do apogeu do movimento feminista em fins dos anos 70, tem–se colocado “uma lente de aumento” sobre o status da mulher muçulmana. Infelizmente, esta “lente” tem sido utilizada de modo inadequado, já que a perspectiva oferecida por esta mostra-se muito seletiva, exagerando uma realidade desconhecida, por conveniência própria. Desta forma, o universo feminino muçulmano é focalizado de maneira tão distorcida, que nada parece familiar àqueles que verdadeiramente o conhecem.

 

Eu me lembro de ter lido uma vez um artigo sobre a vida das mulheres muçulmanas, no qual havia a seguinte explicação: A qualquer hora o marido poderia pedir o divórcio a sua mulher.Bastava dizer simplesmente: “Eu quero divórcio, eu quero divórcio, eu quero divórcio”. Este artigo pode induzir qualquer leigo, nas leis islâmicas referentes ao divórcio, em acreditar que em menos de cinco segundos a mulher é abandonada pelo marido e a partir daí, responsabilizada unicamente pelo sustento próprio e dos filhos. A questão que imediatamente surgiu na minha mente foi esta: O autor escreveu o artigo inocentemente, ou teve o claro objetivo de degradar o Islã e seus seguidores (muçulmanos)? Pode ser uma paranóia minha, mas estou inclinada em acreditar que a finalidade deste autor pode ser expressa pela segunda possibilidade.

 

A verdade da questão é que o Islã tem o mais humano e justo sistema de divórcio que existe. Primeiramente, muitas opções e tentativas são consideradas, antes que se decida pelo divórcio por definitivo. Se o homem e a mulher decidirem que não têm condições de viverem juntos de maneira bem sucedida, tal qual marido e esposa, (na maior parte dos casos, nem sempre), o marido pronuncia seu desejo de divórcio dizendo: “Eu quero o divórcio”. A partir deste ponto, tem início o período de espera. Este tem a duração três ciclos menstruais, para assegurar que a mulher não está grávida. O tempo de espera permite que o casal reflita sobre o processo de divórcio; se realmente querem dar este passo e de que maneira isto será feito.

 

Não existem advogados envolvidos no processo, para criarem um clima de antagonismo, em uma situação tão delicada, quanto esta. Caso seja constatada gravidez, o tempo de espera estende-se por toda a gestação até que entre em vigor o divórcio. Durante este prazo (estando a mulher grávida ou não), o homem é obrigado a prover alimentação, vestuário e abrigo para sua esposa, tal qual ele fazia antes do pronunciamento do divórcio. Se o casal der andamento ao processo de separação durante o período de nascimento da criança, o marido é obrigado a prover alimentação, vestuário e abrigo a sua ex-esposa pelo tempo que ela estiver amamentando o bebê (este prazo pode se alongar por 2 anos). Após o desmame, o filho/filha será sustentado (a) pelo pai, até que não necessite (comprovadamente) de auxílio.

 

Penso que seja um tanto irônico, em uma “sociedade avançada”, como a americana, que existam casos de divórcio, nos quais a mulheres são forçadas a pagarem pensão aos ex-maridos. Tendo como base o que foi descrito, como podemos comparar o sistema de divórcio americano ao sistema de divórcio islâmico?

 

Eu também tenho lido casos em que, segundo o Islã, a mulher é forçada a se casar com um homem, sem o consentimento dela. Nestes casos, não existe nenhuma semelhança com o sistema de matrimônio no Islã. Segundo os preceitos islâmicos, a mulher tem o direito de se casar com quem ela escolher, podendo até mesmo se casar com alguém que seus pais não aprovem. Uma vez que o homem e a mulher estejam interessados em matrimônio, decide-se sobre a questão do dote. Vale a pena ressaltar que este não é o preço estabelecido pela noiva, e sim um presente do noivo para sua futura esposa, oferecido de acordo com as suas possibilidades. No tempo do Profeta Mohammad (Que a paz esteja com ele), freqüentemente eram oferecidos como dote animais ou dinheiro.Esta é uma decisão sábia, já que eventualmente a mulher poderia se divorciar ou ficar viúva e em ambos os casos, ela contaria com uma segurança financeira. Uma vez que uma mulher e um homem se casam, cabe a este ser o provedor da família, no que se refere ao vestuário, à alimentação, ao abrigo e à educação (assim como, permitir que a mulher tenha acesso à educação), da mesma forma que ele o tem.

 

A última imagem distorcida que irei mencionar refere-se às vestimentas utilizadas pelas mulheres muçulmanas. O ocidente influenciou a mídia a retratar o modo feminino muçulmano de se vestir como ultrapassado e opressor. É desnecessário dizer o quanto eu discordo destes adjetivos. O nosso código de vestimentas não nos impede de ter uma vida produtiva. As mulheres muçulmanas têm seus empregos, os quais não são desvalorizados nem depreciados pelo vestuário adotado.Em relação  a questão do tempo, convêm dizer que o vestuário feminino muçulmano parece ser o mais apropriado, levando-se em conta a crescente falta de moral no mundo contemporâneo.

 

Aqueles que consideram a maneira islâmica de se vestir ultrapassada, falam por pura ignorância. A moralidade cada vez mais degradante de hoje em dia, faz com que o Hijab seja bem mais do que necessário. O número de crimes sexuais está crescendo cada vez mais. Embora esta sociedade (ocidental) diga que a mulher pode se vestir da forma que bem lhe convier, pode-se dizer que quando ocorre um estupro é feita a seguinte pergunta à vitima (assim que esta registra uma queixa): “Como você estava vestida”? Esta pergunta expressa uma contradição ideológica da sociedade no que se refere à chamada “mulher contemporânea”. Portanto, podemos verificar que existe uma relação direta entre o respeito que o homem tem pela mulher e o quanto esta mantém seu corpo a mostra.

 

Concluindo, eu espero que este artigo tenha ajudado a elucidar alguns aspectos distorcidos ou mal-compreendidos em relação ao Islã e as mulheres muçulmanas. Por estas, o Universo Islâmico tem muito respeito e consideração. Nós nunca iremos encontrar sucesso ou soluções para os nossos problemas, a não ser que tenhamos a consciência de que Allah sabe o que é melhor e que esta sociedade incrédula irá ruir por si própria.

 

Texto original: "The Distorted Image of the Muslim Woman" de  Naasira bint Ellison, convertida ao Islam, publicado no Hudaa Magazine, New York.

Este artigo foi traduzido por Sarah de Andrade Siqueira.

 

 

                       Home                                  Artigos