Lutando pela Fé

   

Lutando pela Fé: o Que o Qur’an Realmente Diz Sobre a Guerra

 

 

É crença comum, entre os que são ignorantes do Qur’an, que o Islã glorifica e encoraja a guerra. As pessoas com esta opinião também atribuem o crescimento do Exalam ao uso da espada. Tais conceitos são infundados.

De modo a saber a verdade, deve-se ler o que o Qur’an diz sobre o assunto:

‘… Mas não comecem as hostilidades. Verdadeiramente Allah não ama os agressores.’  (2: 190)

 A guerra é permitida apenas em auto-defesa, e somente se os muçulmanos são deixados sem outra opção. Enquanto a disputa puder ser solucionada através de meios pacíficos, e direitos e reivindicações puderem ser pacificamente aplicados e obtidos, é requerido que os muçulmanos se abstenham de lutar.

O Qur’an claramente enuncia as circunstâncias nas quais um estado islâmico pode recorrer à guerra. São elas:

1. Quando existe uma grave e repentina ameaça à religião:

‘…E se Allah não repelisse algumas pessoas através de outras, mosteiros, igrejas, sinagogas e mesquitas, nas quais o nome de Allah é relembrado, teriam sido destruídos.

E verdadeiramente Allah ajudará aqueles que O ajudam. Verdadeiramente Allah é Forte e Poderoso.’ (22: 40)

2. Quando os muçulmanos são submetidos à opressão:

‘E por que razão não lutaríeis no caminho de Allah, e em defesa dos fracos entre os homens, mulheres e crianças, que dizem: Senhor Nosso, tire-nos desta cidade, cujo povo é opressor, e nos garanta um amigo e protetor de Tua parte.’ (4: 75)


3. Quando os muçulmanos são expulsos de suas terras:

‘A permissão (para a luta) é dada àqueles… que foram expulsos de suas casas sem causa justa, apenas por dizerem: Nosso Senhor é Allah…’ (22: 39,40)


4. Quando a guerra é imposta aos muçulmanos:

‘E luteis no caminho de Allah contra aqueles que lutam contra vós, mas não comeceis as hostilidades. Verdadeiramente Allah não ama os agressores.’ (2: 190)

‘Permissão (para lutar) é dada àqueles contra quem a guerra é feita, porque ele retalia da mesma forma com a qual foi afligido, e ele é oprimido, Allah certamente o ajudará…’    (22: 60)

 
5. Quando estados cometem rompimentos deliberados de tratados e pactos:

‘Aqueles com quem fizeste um acordo, então quebram frequentemente seu acordo, e não mantém seu dever. E se eles quebrarem suas promessas depois de terem feito acordos e insultarem sua religião, então lute contra os líderes da descrença – verdadeiramente suas promessas são vãs – de modo que eles possam desistir.’ (9: 12)

 

Os muçulmanos são também instruídos no Qur’an, em palavras explícitas, que todos os atos de guerra devem cessar imediatamente se seus inimigos pedirem a paz; prometerem terminar como toda a perseguição e opressão; e sinceramente se comprometerem a cumprir todas as promessas e alianças.

‘Mas se eles desistirem, então Allah certamente é Perdoador, Misericordioso.’  (2: 192)

‘E se eles se inclinarem à paz, te inclines tu também à ela, e confiem em Allah. Verdadeiramente Ele é o Ouvinte, o Conhecedor.’   (8: 61)

O Qur’an restringiu a guerra à luta em auto-defesa. Todos os agressores, sejam muçulmanos ou não, são severamente condenados. Os muçulmanos devem evitar a guerra.

Entretanto, se não houver saída, eles devem lutar com todo o vigor e compelir o inimigo a ver sua salvação em uma existência pacífica e eqüitativa com os crentes.

A questão do impedimento também é discutida no Qur’an.

É dito aos muçulmanos que eles devem se manter bem preparados e disponibilizar todos os seus recursos, de modo que o inimigo possa, por conta de sua preparação, também assumir uma atitude pacífica.

 ‘E preparem para eles toda a força que tiverem em cavalos, para intimidar o inimigo de Allah, e seu inimigo, e outros além deles, que vós não conheceis – Allah os conhece…’  (8: 60)

Não é notável que no versículo acima os muçulmanos sejam ordenados a estar prontos para a guerra, não para começá-la, mas para impedir o inimigo de perturbar a paz?

 Quanto à guerra para propagação da fé, ela não é mencionada nem uma vez no Qur’an.

Este fato é um alerta para aqueles que dizem que o Islã requere que seus seguidores lutem para divulgar a palavra de Deus. 



Texto original:  'Fighting for Faith: What the Qur'an Really Says About Wars' de Imad-ud-Din Asad, recebido pela mala direta do Canadian Islamic Congress.

 

                                                                                               Home                                     Artigos